sexta-feira, 1 de abril de 2011

Amar Pode Dar Certo (Para Mim Também)

Sou o que “soou” nos trechos do livro que li. Cada linha, um tapa na cara. Mas um tapa colaborativo, educativo, até. Sem qualquer apologia à violência, senti-me despido e surrado como um escravo no tronco; no tronco da escravidão do amor. E gostei. Gostei porque não houve “dor” física; tampouco espiritual. Se houve dor, chamou-se consciência. E isso precisamos carregar todos os dias. Um preço pelo livre arbítrio. Devemos amar, amor; calar, calor... Viver sem medo. Sem medo da dor. Porque só não sente dor quem não pode fazer mais nada. 

Então é isso. As luzes se apagam, os sons silenciam, tudo pára. E nesse hiato, a vida transcende. Isso não me surpreende. Um dia, a gente aprende. Não se arrepende. De nada. De nada do que fez. É tentar novamente. É tentar outra vez. Devo seguir a luz? Ou buscar a escuridão? Sinto a necessidade de continuar. Meu momento chegou? Acho que não. É tempo de re-amar. Re-animar. Dar alma ao corpo morto da frieza de coração. Por que fazer-se de morto, ao lado da emoção? Porque escutar o silêncio do cérebro, quando ainda bate o coração? Assim era eu, então. Emoções nulas; pura razão. Mas não era insensível. Tinha a sensibilidade de um artista... realista: determinista, materialista amoroso, negativamente humano e - apesar de me considerar um dos últimos românticos - fugia totalmente de seu subjetivismo.

Tinha lá minhas razões. Sempre as temos. E as tememos. Por isso encarei o curso "Desenvolvimento da Percepção Sensorial", com Ronaldo Peixoto/AL. E, para minha surpresa, foi-me dada oportunidade de ler um livro que achava “piegas” (puro preconceito, claro!). Mas as mensagens dele pareciam ter sido escritas por mim (nos velhos tempos). E, como fazemos parte de um todo energético, sei que algumas (senão muitas) palavras, de fato, me pertenciam. E, por isso mesmo, foram deslocadas do livro, tornaram-se “fragmentos do amor que pode dar certo” e tranfiguraram-se num acreditar que “amar pode dar certo (para mim também)”. Sei que a estrada é longa e alguns se perderão no caminho. Mas tudo tem um preço. Sei que não desistirei. Como sei? Porque sei. Tenho fé. Ela dispensa provas. 

A página vai terminando e eu, encurtando as palavras. Quero parar na décima página. Dez é um bom número. Torna-se Um, Mago, Alfa e, no fim dos ciclos, torna-se o próprio Ômega. Pois tudo termina onde começa. Não há em cima nem embaixo. Há apenas. E sei que estou contido nesse todo inexplicável. Todos somos um. Somos um todo. Absoluto. Mágico. Energético. Infinito. Amor.

(Guilherme Ramos, 01/04/2011, 23h28. Não, não é mentira. É a mais pura... verdade.)

3 comentários:

Jefhcardoso disse...

Caramba, o curso de “Desenvolvimento da Percepção Sensorial” deve ser uma tremenda viajem! E o livro? Agora fiquei curioso para saber qual foi o autor que superou o seu “pré-conceito”. Abraço, velho!

ArteSã Blog disse...

Sempre me supreendendo... Não que espere menos de vc. Ao contrário. É que tenho, sempre, a impressão que chego aqui no momento exato - para mim. E acertar o momento nunca foi o meu forte. Sempre cheguei antes ou depois na vida das pessoas. Sofro dessa impontualidade existencial, rs... Gostei do que li. Gostei ainda mais do que intui. Estou feliz por vc.
Gui, não inclui seu blog na lista formal para receber o selo, porque achei que um blog de literatura, rs..., não se interessaria por ele. De qualquer modo, como adoro ler vc, gostaria muito que o recebesse. Passa lá e pega, ok?
Mil beijocas, Feliz Páscoa!
Si
ArteSã Blog - Simone Salles
http://artesablog.com.br

Anônimo disse...

Hello é a 2ª vez que vi o teu blog e gostei tanto!Espectacular Projecto!
Cumps

Postar um comentário

Sua participação aqui é um incentivo para a minha criatividade. Obrigado! E volte mais vezes ao meu blog...

 
;