quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Gritar

Silêncio...
E só.
Não há palavras.
Há, apenas, gesto.
O gesto mais simples
Rasgando vontades,
Armando bobagens,
Dizendo verdades,
Adicionando sorrisos...
Meus sorrisos.
Isso quando são sorrisos.
Não há o que discutir.
Há, apenas, o sentir.
A incrível necessidade
Volátil, volúvel,
Onde se aprende
Não uma Lei, uma ordem.
Tudo. Todos os autos.
A invencível vontade
De gritar seu nome
E, subitamente, sussurrá-lo.
Muitas vezes, poucas vezes.
Então, por que se preocupar?
Nada importa.
Isso é o que importa.
No (meu) caso, há um porém:
A vontade de te ver,
Te sentir, te sonhar.
Assim, quem sabe, assim,
Te ter só pra mim.
Isso, sim, importa.

(Guilherme Ramos, 20/04/2007, +/-23h...)

É... Hoje eu mexi mesmo no "baú". Rsssss... Mais uma "antiga" pra compor o blog. Singela homenagem a uma amiga, grande apreciadora das letras e melodias...

3 comentários:

Anônimo disse...

a sua cara...singela, sincronica e simplesmente perfeita!!!


bjus migo



carol

contatos imediatos disse...

Só mesmo a paixão e a saudade pra calar os anseios de um geminiano incorrigível(eu)...

Você está certo em sua poesia, para algumas coisas nenhuma palavra é suficiente, melhor mesmo apostar no poder dos gestos e do silêncio!

Jr.

Larissa disse...

Concordo com o 'contatos imediatos', hahah. Você está certo em sua poesia. "Isso, sim, importa.'

:********

Postar um comentário

Sua participação aqui é um incentivo para a minha criatividade. Obrigado! E volte mais vezes ao meu blog...

 
;